Portal IFNMG - Professor do IFNMG fala sobre aquecimento global no III Encontro de Pajés na Aldeia Cinta Vermelha Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Professor do IFNMG fala sobre aquecimento global no III Encontro de Pajés na Aldeia Cinta Vermelha

Publicado: Quarta, 10 de Dezembro de 2014, 18h12 | Última atualização em Quinta, 11 de Dezembro de 2014, 17h26

 capa leandro indios3

Pajés das etnias Pataxó, Tapajós e Pankararú debateram sobre “Aquecimento Global e as consequências para os povos indígenas” e ouviram o professor Leandro Campelo, do Câmpus Araçuaí

 

O professor de Geografia Leandro Fabrício Campelo, do Câmpus Araçuaí do IFNMG, participou no último sábado (6/12) do III Encontro dos Pajés que teve como tema desta edição “Aquecimento Global: a questão da água”. Leandro foi convidado a falar aos pajés das etnias Pataxó, Tapajós e Pankararú sobre “Aquecimento Global e as consequências para os povos indígenas”. Cerca de 45 pessoas marcaram presença. A tribo Jundiba foi quem recepcionou o evento que aconteceu na Aldeia Cinta Vermelha, localizada a cerca de 25 quilômetros de Araçuaí (MG).

De acordo o professor Leandro Fabrício, os cerca de 38 indígenas que vivem na Aldeia Cinta Vermelha sofrem com a água salobra, apesar de a região em que estão ocupando ser banhada pelos rios Araçuaí e Jequitinhonha. Atualmente, a tribo Jundiba é atendida duas vezes por semana com dois caminhões de água potável. A aldeia está localizada no município de Itira (MG).

“Geólogos já fizeram perfurações e estudos e descobriram que a quantidade de sal na água é devido aos tipos de rochas dá região. A água encontrada ali é impropria para o consumo humano. Mas isso não impede que os índios a utilizem para a agricultura de subsistência. Eles estão procurando ajuda na busca de solução para o problema”, explicou Leandro.

O professor informou ainda que firmou compromisso com os pajés de apresentar em uma próxima oportunidade o que consta no quinto relatório Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) no que diz respeito as consequências do aquecimento global para os povos que vivem da terra. O documento foi finalizado pelos cientistas do IPCC em novembro deste ano e está apenas na versão em inglês.

Território
Ainda segundo o professor Leandro Fabrício, a questão da terra é outra dificuldade vivida pelos pataxós da tribo Jundiba porque o processo para aquisição da área particular está parado na Justiça. Se não bastasse os indígenas sofrem com o constante assédio de empresas de mineração que tem manifestado diariamente interesse em explorar a área para obtenção de pedras preciosas. No entanto, o proprietário já afirmou que quer vender a terra para o uso dos indígenas para garantir a sua preservação. A Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucurí (UFVJM) ajudou a tribo pataxó com a produção de laudos e estudos para o processo que está parado na Justiça.

Rituais
Antes da abertura da mesa de debate sobre a questão da água pelos pajés e especialistas sobre o tema, todos foram convidados a participar do ritual do nascer do sol. Houve ainda apresentação artística de crianças da Escola Arthur Berganholi e a dinâmica em que cada participante se dirigia ao centro da oca para falar sobre a importância da água e das sementes. Ao final do evento, todos participaram do ritual de purificação da água e das sementes de plantas cultivadas na aldeia.

eliane teo

Além o professor Leandro, os professores Gabriel Pereira Lopes (Biologia), Theo Kieckbushch Mota (Sociologia) e Elaine Ferrari de Brito (Agronomia), todos do Câmpus Araçuaí do IFNMG participaram do encontro e conheceram as demandas sociais dos indígenas. Representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai) e da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) estavam presentes.

gabriel

Criado em 10/12/2014

Fim do conteúdo da página