Portal IFNMG - Campus Diamantina organizou debate sobre violência contra jovens pobres e negros Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
Publicado: Quarta, 25 de Novembro de 2015, 09h01 | Última atualização em Quarta, 25 de Novembro de 2015, 11h34
imagem sem descrição.

O IFNMG - Campus Diamantina organizou nesta segunda-feira (23/11) o "Encontro com Lideranças" que apresentou e debateu o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a violência contra jovens negros e pobres no Brasil.

O presidente da CPI, deputado federal Reginaldo Lopes, esteve presente e apresentou as estarrecedoras conclusões da Comissão, que apontam um país racista e em permanente guerra civil. "O Brasil possui 29 homicídios para cada 100 mil habitantes, e quando se recorta para negros e pobres de 12 a 29 anos, o número sobe para 70 para cada 100 mil, sendo que a ONU aponta que acima de um dígito já é estado de guerra civil", disse o deputado, que também informou outros dados alarmantes. A conclusão, segundo o deputado, é que existe desde a década de 1980 um genocídio da população negra no Brasil.

Vários outros assuntos relacionados à temática foram debatidos, como as injustiças cometidas com os negros pelo Estado através das polícias e dos presídios, a necessidade de ampliar e fortalecer a discussão sobre a violência contra o jovem negro, a importância das cotas nas instituições de ensino e a necessidade de fundos específicos para o enfrentamento à situação.

A Comissão, ao final dos trabalhos, apresentou 8 emendas à Constituição e 16 projetos de lei para responder a essas e outras tristes conclusões da CPI.

Para o diretor-geral do IFNMG – Campus Diamantina, prof. Júnio Jáber, é fundamental que as instituições de ensino promovam esse difícil e importante debate, que infelizmente ainda é um grande tabu no Brasil. “Esta atividade prevê o cumprimento da lei 10.639/03, que obriga a inclusão no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática 'História e Cultura Afro-Brasileira' , bem como corrobora para a formação cidadã de servidores, alunos e sociedade civil. O Campus Diamantina está de portas abertas para abraçar os jovens pobres e negros”, ressaltou o diretor.

Além do diretor-geral do Campus Diamantina, prof. Júnio Jáber, compuseram a mesa o pró-reitor de Desenvolvimento Institucional do IFNMG, prof. Alisson Castro, o deputado estadual Cristiano Silveira e o assessor de assuntos estratégicos da UFVJM, Cássio Jesus Cardoso.

Também estiveram presentes no evento estudantes do Curso Técnico de Informática do Campus Diamantina, líderes quilombolas da região, membros de casas de umbanda e candomblé, entre outros líderes religiosos, civis e presidentes de partidos políticos de Diamantina, além do Grupo Abadá Capoeira, que fez uma belíssima apresentação de capoeira.

AlRggbOL8 BFFKAkdpb1SEXwCD2NQM7cB54ZVCyW0Mhx

Apresentação do Grupo Abadá Capoeira

Ar TTVTryjqejIKBy5rp5hkhP5PKnVIGalmUj2nClyhg

Mesa composta (da esquerda para a direita), pelo pró-reitor de Desenvolvimento Institucional do IFNMG, prof. Alisson Castro, o deputado estadual Cristano Silveira, o deputado federal Reginaldo Lopes, o diretor-geral do IFNMG - Campus Diamantina, prof. Júnio Jáber e o assessor de assuntos estratégicos da UFVJM, Cássio Jesus Cardoso.

 

Atualizado em 25/11 às 11h34

 

Fim do conteúdo da página